VIDA DE MÃE: CONALCO - PALESTRA IV e V



A quarta teve palestras maravilhosas! A primeira às 11:00, abordou um tema muito importante e que é cercado de mitos:

Palestra IV - Karine Durães: Nutricionista especializada em Pediatria pelo Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da FMUSP. Mãe da Beatriz, realiza trabalho humanizado no atendimento à gestantes, bebês, crianças e adolescentes. Autora do blog http://nutricionistainfantil.blogspot.com.br/

A alimentação láctea durante a introdução alimentar: mitos e verdades

Essa palestra foi especial! Muita gente acredita que o leite materno deve ser substituído pela alimentação sólida. Isto é, em termos verdade. Esta substituição deve ocorrer de forma gradativa para que seja bem sucedida, portanto em um primeiro momento, o leite materno deve continuar sendo o principal alimento do bebê.

A Karine desmistificou alguns conceitos errôneos que temos hoje em dia: 

- A briga do cálcio: O leite (DE VACA) é riquíssimo em cálcio, o que promove uma "disputa" de absorção por parte do organismo entre o ferro e o cálcio. Por esta razão é que o leite de vaca não deve ser administrado a crianças abaixo de um ano, pois eles ainda não possuem uma alta necessidade de cálcio (o suprido pelo leite materno é suficiente) e precisam absorver o ferro. Muitas pessoas levam o conceito desta briga para o leite materno, um verdadeiro engano. O leite materno, diferente do de vaca, contém os níveis adequados de cálcio, que não irão promover esta disputa, logo a absorção do ferro e cálcio acontece simultaneamente, perfeitamente.

- Se não desmamar, não vai comer: Eu mesma já pensei que haveria uma preferência. É mito. As crianças vão comer independente de estarem sendo amamentadas ou não. O fato do seu filho muitas vezes preferir o leite materno é questão de adaptação. Cada criança tem um ritmo, algumas precisam de um pouco mais de tempo para se acostumarem com novos alimentos, outras crianças aceitam com mais rapidez. Isto é normal e positivo. A criança retorna ao leite materno porque ele traz aquela segurança do "conhecido" ("estão me dando um monte de coisa cheia de sabor, mas meu leitinho está garantido!"), mas isto não significa que a introdução alimentar está fracassando. Continue amamentando NORMALMENTE. Eu já passei uma situação engraçada com a Ana Luiza. Um dia preparei o almoço como o faço todos os dias, sentamos à mesa e ela nada. Nem quis olhar pra comida. Fiquei super perplexa. Continuamos almoçando e ela queria porque queria vir no meu colo. Peguei, ela pediu pra mamar. Mamou e depois pediu a comida. VAI ENTENDER? Comeu tudinho. Depois daquele dia eu nunca mais pensei que o leite materno atrapalha a introdução alimentar, muito pelo contrário, ele auxilia. Aqueles dias que a criança rejeita a comida, quando nascem os dentes, o que fazer? Seu corpo já produz o remédio! AMAmente!!!!!

Para as mães que trabalham fora: A Karine disse que ela sempre questiona em seu atendimento o que a mãe quer, quais são as suas expectativas. Se ela quiser continuar amamentando, ela não só pode como deve! Aí é questão de trabalharem a logística. É possível fazer a ordenha do leite que será administrado ao logo do dia e trabalhar livre demanda à noite e aos finais de semana, por exemplo. O corpo VAI SE AJUSTAR!  Seu leite não vai secar e não vai diminuir, ele vai se adequar a quantidade que está sendo demandada pelo bebê. São necessários 40 dias sem QUALQUER estímulo para o corpo parar de produzir leite. É possível manter a amamentação e trabalhar fora, basta pedir auxílio.

Para os bebês que tomam fórmula: O esquema é o mesmo, o leite vai ser o principal alimento e não deve ser substituído pelos sólidos abruptamente, isto vai se dar gradativamente.  

Acho que resumi o principal abordado. Ela terminou dizendo que a grande luta para a amamentação prolongada é a pressão que as mães sofrem. Ninguém é obrigado a nada, certo? Cada um escolhe quanto tempo amamentar, mas o ideal é você deixar as mães que escolheram a amamentação prolongada, amamentarem tranquilamente. :)

**********************************************

Palestra V - Cristiane Faccio Gomes: Fonoaudióloga (UNESP - Marília), Doula (GAMA - SP), Consultora Internacional em Amamentação (IBLCE), Especialista em Motricidade Oral (CFFa), Mestre em Educação (UNESP - Marília), Doutora em Pediatria (UNESP - Botucatu), Pós-Doutorado em Saúde Coletiva (UEL - Londrina), Docente do Curso de Fonoaudiologia da UNOPAR - Universidade Norte do Paraná, Londrina, PR. Atendimento em Consultório e Domiciliar na área de aleitamento materno.

A amamentação como base de uma introdução alimentar de sucesso

Esta pessoa manja de amamentação, basta ler com atenção suas qualificações! 

Depois de começar a amamentar eu conheci um pouco sobre todos os benefícios que o aleitamento proporciona principalmente para a saúde, mas eu confesso que fiquei espantada com as informações que a Cristiane apresentou. 

Primeiramente ela falou um pouco sobre o período gestacional o preparo que ocorre: 

- Por volta dos 3 meses o bebê desenvolve a deglutição: ele passa a engolir o líquido aminótico e uma quantidade é absorvida pelo organismo da mãe. É possível, por exemplo, detectar quando o bebê tem algum problema de deglutição quando o nível do líquido não diminui. (Dá pra refletir também sobre a desculpinha do bebê que engoliu líquido no parto com esta informação. Ele passou 6 meses engolindo líquido...

- Por volta do 5º mês o bebê desenvolve a sucção: é por isso que algumas mães já conseguem enxergar o bebe chupando dedo no US. É NORMAL e não vicia, ele está treinando! Graças à Deus ele só tem o dedo e o cordão umbilical para treinar, portanto não há com o que se preocupar. Até o 6 meses pós nascimento, o ato de sucção é Inato/Inconsciente/Incontrolável. À partir do 6º mês é que o bebê passa a sugar voluntariamente e esta fase vai até por volta dos 3 anos, é a fase oral e a sucção faz parte dela, esta necessidade precisa ser saciada. A Cristiane ressaltou que somente o aleitamento materno supre a necessidade NEURAL/FISIOLÓGICA (comida) do bebê. A mamadeira por mais anatômica, odontológica, ou o que for, não supre a necessidade neural, por isso seu filho provavelmente vai desenvolver algum outro hábito. 

- Por volta do 7º  mês de gestação, o bebê passa a perceber sabores. Ou seja, tudo que você come, influencia o paladar do seu bebê desde antes dele nascer.

- Também no 7º mês o bebê desenvolve o reflexo de vômito;

- E antes de nascer ele terá desenvolvido o reflexo de sucção, deglutição e respiração - a combinação perfeita para que ele possa mamar;

Estudos já mostram que o aleitamento materno em livre demanda até os 6 meses reduz em 70% as chances da necessidade do seu filho usar qualquer artificio (bicos artificiais) para satisfazer a necessidade de sucção neural. 

Além de suprir as necessidades neurológicas e fisiológicas do seu bebê, o aleitamento materno também irá desenvolver um papel fundamental no seu desenvolvimento físico e na preparação para a introdução alimentar. 

Quando a pega é feita corretamente e o bebe suga, ele estará trabalhando músculos e fazendo 4 movimentos mandibulares, enquanto que com bicos artificiais, ele faz apenas 2 (verticais). Por que isto é importante? 

Todos os bebês nascem com o queixo pequeno e retraído. A "natureza" sabiamente faz isto para que eles passem pelo canal na hora do parto. O aleitamento materno proporciona então, um crescimento facial adequado, harmonioso (horizontal e vertical) e promove ainda o alinhamento apropriado. Infelizmente os bicos artificiais não promovem este desenvolvimento, somente o aleitamento materno. 

Um outro ponto interessante é que quando o vedamento (a pega) é feita adequadamente, o bico do seio feito sob medida, se ajusta (amplia) conforme a cavidade oral indo até a divisão do palato duro e palato mole SEM MODIFICAR SUA ESTRUTURA o que NÃO ACONTECE COM BICOS ARTIFICIAIS. A língua também fica posicionada adequadamente, enquanto que com os bicos ela é empurrada. 

Todos estes fatores e desenvolvimento serão primordiais para a fase seguinte, a introdução dos sólidos, aonde seu bebê irá utilizar todo o treinamento que fez durante as mamadas para morder, deglutir... 

Deu pra perceber quão importante é o aleitamento materno para a base de uma boa introdução alimentar (além dos outros zilhões de benefícios), certo? 

**** É importante ressaltar que a palestra não tem por finalidade desmerecer ou trazer qualquer sentimento de inferiorização às mães que, por algum motivo foram impossibilitadas de amamentar. O intuito é apresentar comprovações científicas e reforçar a importância do aleitamento materno, bem como encorajar futuras mães! ****

Amamente! Insista! Procure ajuda! Pesquise! Empodere-se! 

Amei demais as palestras de quarta. Me animaram ainda mais a prosseguir com o aleitamento. Acho que foi tão difícil conseguir, que agora quem não quer largar soy yo! hehehehehe 

Espero que tenha sido útil! 

Até breve!

Comentários

  1. debora vasconcellos25 de maio de 2015 00:47

    Oi karol! Tb estou acompanhando o conalco e esta senfo nota 1000! Mas tinha perdido essa palestra e seu resumo ajudou bastante! Estou aqui matutando pois meu baby com 11 meses come pouquíssimo e o meu leite é q esta segurando a barra! Bjss

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Caro leitor,

Obrigada por tirar um tempo para comentar aqui. Ficarei muito feliz em ler seu comentário e responderei assim que possível. Um beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

Parto Domiciliar do Mathias | A trajetória

Bon Appétit: Wrap de Alcatra e Cheddar

Inspirando...babies!