Retrospectiva 2014




O ano realmente acabou? Pra onde ele foi?

Todo ano escrevo uma retrospectiva no blog sobre como foi o meu ano e esta é a terceira. 2012 eu disse que era o ano da gratidão, 2013 o ano intenso e este, bom, este eu ainda não encontrei uma palavra que o defina. 

Comecei o ano em meio ao caos de uma mudança de estado, grávida, procurando apartamento e com muitos por quês em mente. Foi um verão quente, de visitas, muito açaí, muitas caixas e uma tinta impregnada no chão que até hoje não saiu. Fizemos a viagem do enxoval e também da nostalgia. Voltar à Atlanta com o Jó foi uma experiência maravilhosa e dormir no chão do aeroporto com uma barriga de 8 meses me parecia uma grande aventura,  mas o ano estava só começando e as aventuras também. 

Na volta, muitas coisas à resolver, muitas caixas e muitas lágrias de cansaço, de frustração, de stress e de por quês. O relógio avançava rápido e o chá de bebê saiu quase na prorrogação. Pelo menos era o que eu e todo mundo achava. Foi simplesmente maravilhoso planejar um chá para aquela barriga que mexia tanto e que insistia em se alojar embaixo da minha costela. Eu sabia que eu nunca mais seria a mesma, só não sabia quão drástica era esta mudança e nem a intensidade com a qual ela chegaria. 

E por falar em chegar, maio chegou e trouxe uma visita muito especial, para esperar comigo o que parecia nunca ter fim. O cansaço e a ansiedade me venceram várias vezes. Esperar pode ser dolorido, angustiante, prazeroso, sublime e repetitivo "não, ainda não nasceu. Não sei pra quando, tô esperando..." E valeu a pena esperar. Valeu cada minuto de ansiedade, valeu muito, valeu pra sempre. No dia 16 de maio por volta das 3:30 am fui acordada por dores que anunciavam a chegada de alguém que estava pronta para nascer e também para me fazer renascer. Um parto. Domiciliar. Humanizado. Uma experiência genuína e profunda com o Criador de todas as coisas, aquEle que, faz tudo perfeito e que nos capacita na hora da dor, da angústia... A dor em si, torna-se mero detalhe, hoje, esquecida. A alegria que está proposta é maior, muito maior, infinitamente maior! A alegria foi compartilhada com pessoas que moram em um canto bem guardadinho, especial, no meu coração. 

Os meses seguintes foram meses de parto também. Um parto diferente, que deu vida a uma nova pessoa que estava lá no fundo esperando a oportunidade de florescer. A maternidade foi esta oportunidade. Quanta coisa eu aprendi sobre mim mesma nas madrugadas solitárias e intermináveis. Aquele choro me angustiava e me fazia enxergar quão egoísta eu era, quão menina, quão despreparada para tanta coisa. Mas lembram-se do Criador? Ele também esteve presente nesses dias e usufruindo da Sua misericórdia comecei a enxergar um novo caminho a ser traçado. 

Despi-me de muitas coisas, sentimentos, expectativas, imaturidades e pré-conceitos. Precisei vestir-me de responsabilidade, amor, compaixão, compromisso, alegria em meio ao cansaço, vesti-me com a vida real, que me acordava com um tapa na cara todos os dias antes das 6. Ouvi da minha mãe que, casei-me nova e brinquei de casinha todos estes anos, agora era hora do vamos ver, da vida como ela é. Fato. Larguei mão de gastar meu tempo com coisas que não me agregavam, aliás, O QUE EU FAZIA COM TANTO TEMPO OCIOSO?

A velocidade com a qual o tempo avança, me dá a sensação de ter me tornado menos tolerante. Não tenho mais tempo a perder. Não posso mais perder tempo! De fato, hoje eu sou uma pessoa mais direta e prática, me poupo de mimimis e infantilidades mil. O tempo avança...preciso aproveitá-lo, preciso de pessoas que sabem aproveitá-lo, preciso me ocupar com o que interessa, preciso de gente que me entenda, que vive o que eu vivo, mesmo que de forma diferente. Achei. 

Achei não só pessoas, como também a resposta daqueles muitos por quês. Nas pessoas, achei muita compreensão, muito amor, aconchego, ajuda, casa, lençol limpinho, lágrimas que corriam ao ver que estava mesmo doendo, estava mesmo difícil. Mãe é eterna e o porto seguro oferecido, o norte, também. Será que consigo? Me fiz esta pergunta muitas vezes. Hoje eu sei a resposta. 

Achei outras pessoas que me diziam que iriam embora depois que os filhos chegassem. Estas, na verdade, foram mais próximas ainda. Não se espantaram com os dias sombrios, nem com choros e choros e choros...até mesmo quando o choro durou a descida de uma serra inteirinha, até em casa. Os DISPOSTOS se atraem. E sinto-me eternamente grata por tanta disposição. Tantas noites até tarde, desfrutando de companhia que me fazia sentir um pouco viva também. Nem tudo se foi. O que é de verdade fica. Por vocês, vale a pena estar zumbi no dia seguinte. Espero ainda muitas rolhas para este 2015 juntos. 

Reencontrei outras tantas pessoas. Pessoas de um passado que em números parece tão distante, mas que me dão a sensação de que o tempo é traiçoeiro e passa sem que percebamos. Não posso perder tempo. Não perco a oportunidade de gastá-lo com vocês. Vocês são, o que a idoneidade trouxe de melhor. Velhos amigos! Estamos envelhecendo, o tempo é ilusão. Quem o segura? 

Outras ainda, eram pessoas de passados não tão distantes, mas pessoas que, foram usadas pelo Criador no tempo certo e que me abençoaram de tantas formas. Chorei quando ganhei caldo, bolo de fubá e sentia-me aliviada no fim das conversas mesmo que por interfone. O tempo aprimora amizades, intensifica relacionamentos e o Criador nos reúne com quem realmente importa. Se importa e conforta. Evoluímos de petit gateau para açaí...espero ter muito tempo para muitos deles em 2015. 

Os dias se foram e chegou o primeiro dia dos pais, o primeiro aniversário como pai. Quem diria? O tempo. Vale a pena estar ao seu lado enquanto ele avança. Você é maravilhoso, é perfeito pra mim. Amo e admiro a suas qualidades como fã incondicional, número 1. Aceito e quero ter a graça que me foi repartida, de conviver e te auxiliar no que você precisa alcançar. Graça...como você foi gracioso. "Calma, isso passa, é só uma fase..." Eu sabia que pra você também não era fácil tanta coisa junta, mas você foi tão gracioso. Surpreendente. Desde às 3:30am do dia 16 de maio, você mostrou o pai que realmente é, que eu sempre soube que seria. O tempo vai passando e tornando você cada vez mais a melhor decisão. Preciso muito de você. Todos os dias, enquanto o tempo passa...

E ele passou tão rápido que o ano se vai e eu tenho a sensação que nem o vi passar...Talvez a nova função requeira um pouco mais de mim, a ponto de não me dar conta das horas...são tantas coisas à fazer, tanto que se aproveitar. Não tenho tempo a perder. Preciso remi-lo...

Termino o ano com os porquês respondidos. De certo modo, era preciso voltar no tempo e me permitir ser cuidada. O tempo sara tantas coisas. Tempo. Quero aproveitá-lo em 2015, da melhor maneira possível, desfrutando da lição aprendida em 2014 de que a simplicidade das coisas tornam-as sublime, que melhor do que as coisas, são as pessoas e o tempo que gastamos com elas. Tempo.

Obrigada à cada um de vocês que gastou um pouquinho do seu comigo. Sou eternamente grata e espero de todo coração que tenham encontrado algo que tenha valido a pena o tempo aqui gasto. Espero sinceramente que no próximo ano estejamos aqui juntos, rindo, contando história, dividindo experiências e aproveitando o nosso tempo. VIVENDO. Nos reinventado! Descobrindo que o tempo é detalhe frente a imensidão do que podemos viver. 

2014 foi o ano que aprendi o valor do tempo

FELIZ 2015 E MUIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIITOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO OBRIGADA POR ESTAREM AQUI!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!



Comentários

  1. Como aprendo e me inspiro com você...obrigada, obrigada e obrigada!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Caro leitor,

Obrigada por tirar um tempo para comentar aqui. Ficarei muito feliz em ler seu comentário e responderei assim que possível. Um beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

Parto Domiciliar do Mathias | A trajetória

Bon Appétit: Wrap de Alcatra e Cheddar

Inspirando...babies!