Uma mãe de primeira viagem: Etiqueta na gestação (em ambos os lados!)



Uma tema delicado, mas contundente....

Antes de me casar, minha irmã me presenteou com um livro que era dela e que ambas gostamos profundamente. É um livro de etiqueta de quase 830 páginas escritas por uma distinta senhora americana muito conhecida por sua conduta impecável. O bom do livro é que ela é extremamente bem humorada e usa um tom irônico sem igual. Ela aborda um assunto e ao longo do capítulo existe uma compilação de perguntas e respostas da sua coluna para um jornal, que são hilárias. De vez em quando eu me pego lendo algum assunto que me interesse ou que tenha a ver com os momentos que estou vivendo. Antes de me casar li toda seção sobre casamentos e um pouco antes da Ana Luiza nascer li sobre nascimento, gravidez e demais assuntos relacionados e foi ótimo!

Desde então, comecei a reparar em como as pessoas agem (ou reagem) ao tema gravidez, como os pais reagem aos comentários e sugestões desnecessárias e tudo mais que envolve o assunto.

Acho que a parte mais chata é a reação e comentários das pessoas quando você as comunica da gravidez.

É impressionante como as pessoas acham que o fato de você comunicar uma gestação, dá a elas automaticamente o direito/liberdade para comentários completamente desnecessários para o momento. Sei que muita gente pode ter boa intenção, mas se colocarmos os bom senso antes das boas intenções, podemos nos livrar de muitas saias justas e palavras desnecessárias.

Mas o que dizer?

Um simples "parabéns" ou ainda "estamos muito felizes por vocês/com vocês" é mais do que suficiente para expressar alegria, demonstrar empatia com os futuros pais e ainda ser uma pessoa agradável. Por favor, parem de oferecer conselhos quanto ao sono, quanto a barriga, quanto os desconfortos da gravidez, quanto ao parto, quanto a todas as experiencias traumatizantes que você já ouviu falar sobre parto e crianças, quanto a vida materna ou de como o casal pode evitar tal situação no futuro. É sério. A quantidade de filhos que um casal escolheu ter, seja ela 0 ou 12 não nos diz respeito, é decisão deles. Se uma família quer esperar 5 anos para o próximo ou 5 meses, também não nos diz respeito. Se uma mãe quer um parto natural ou cesariana programada, não podemos amarrá-la e conformá-la ao que acreditamos. Se um casal quer voltar da lua de mel esperando um bebe ou quer esperar 10 anos, tampouco nos diz respeito.

Se, por acaso, em algum momento for solicitada a nossa opinião por pessoas que são amigas ou próximas, sobre qualquer um destes assuntos, com quem temos liberdade, expresse-a gentilmente com tom de informação e não de convencimento e posse de toda verdade.

E o sexo?

Pais, parem de gritar suas preferências por aí. POR FAVOR. É extremamente desconcertante quando "vem o que você não queria". A criança acaba ficando marcada com o estigma de que era pra ela ser outra coisa. É chato, desagradável e não ajuda em nada o seu filho(a). Se depois de descobrirem, for o que tinham expectativas, tudo bem, comente que vocês tinham mesmo expectativas, sonhos, ou o que for. Eu particularmente não tinha preferência (mesmo!), o meu marido tinha, por uma menina. Proibi ele de ficar falando isso pras pessoas e trabalhei o psicológico dele para se eventualmente fosse um menino. Deu certo. Ele respondia pra todo mundo que só esperava em Deus que fosse um bebe saudável. Depois, ele pode contar pra todo mundo como ele sempre sonhou em ser pai babão de uma menina bem pegajosa, apaixonada e grudada nele....

Bom, aproveitando a oportunidade, traduzi alguns trechos do capítulo em que a a Miss Manners trata da gestação e nascimento. Dá pra aprender alguma coisa sempre, né?

Vamos dar o bom exemplo! Gentileza e educação independente do outro! :)


~ Resposta Adequada~

Querida Miss Manners:

Quando eu era mais nova, sempre fui ensinada que "Parabéns!" era a resposta adequada quando se era comunicada a gestação de uma mulher. Mesmo que a gestante estivesse sendo obrigada pela família a se casar com o pai da criança de 17 anos, o correto era se alegrar com ela pela geração de uma nova vida e manter os comentários moralistas longe de seus ouvidos. O que eu quero saber Miss Manners, é se, esta regra de bons modos mudou? Tenho vinte e nove anos e estou grávida de um pouco mais de cinco meses. Meu marido e eu estamos ansiosos por este momento tão alegre, o nascimento do nosso primeiro filho. Quando conhecidos e colegas do trabalho tomam conhecimento da minha condição, a resposta que tenho tido são olhos arregalados piscando sem parar que me olham fixamente e depois dizem "bom...." ou  "Oh!". Depois de um tempo de silêncio desconcertante, eu me sinto obrigada a reafirmar-lhes que sim, era muito quisto e também planejado. A esta altura, o ouvinte confuso já se recuperou o suficiente para murmurar um "que bom então" ainda me olhando fixamente confuso e sem graça. Qual é a resposta correta ao descobrir que uma mulher está esperando um bebê? Você tem alguma sugestão de resposta irônica para que a pessoa já fique ciente de que a situação me agrada e que eu não quero discutir os aspectos mais pessoais da história toda? Um dia desses respondi a uma senhora que eu e meu marido estávamos estarrecidos com o preço da carne, por isso resolvemos criar nossa própria carne, mas isto só prolongou a fase do olhar fixo de espanto e piscadas incessantes!

Prezada leitora

Primeiramente, parabéns! A Miss Manners está muito feliz por você. Ela também fica bem confusa quando se dá conta de que geralmente as mesmas pessoas que tem um apreço em dizer que gostam de sexo, são aquelas que ficam horrorizadas com sua consequência natural.
Azar o deles! A Miss Manners acredita que crianças são motivos de alegria, mas não tem pretensões de forçar a outras pessoas seu ponto de vista, principalmente porque acredita que quem não quer ter crianças não as tem. O melhor que você pode fazer no momento para alertar as pessoas do seu estado de felicidade é dizer "estamos muito contentes" quando você mencionar sua gestação. Muito em breve você estará muito ocupada pra se importar.

***

Querida Miss Manners, 

Tenho uma irmã que comentou com nossos outros irmãos que ela está planejando uma inseminação artificial este ano. Não consigo pensar em nada gentil para se dizer por alguns motivos: acho que ela será uma péssima mãe. Não quero dar a ela a impressão de que eu aprovo esta ideia, mas ela é minha irmã e não quero ignorá-la. O que eu posso dizer, sem soar grosseira, quando ela me contar que está gravida?

Prezada leitora,

"Parabéns!"

***

~ Respostas Inadequadas ~

Querida Miss Manners, 

Estou muito feliz com a gestação do nosso primeiro filho. Até recentemente, muitas pessoas ao meu redor não tinham conhecimento da minha condição (pra minha alegria) e só ouvi parabenizações das pessoas com quem decidi dividir esta notícia tão boa. Contudo, recentemente a gestação começou a "aparecer" e foi então que me deparei com um determinado grupo de pessoas que eu chamo de "Patrulhas da gestação". Estas pessoas, quer eu as conheça ou não, não tem vergonha alguma de chegarem até mim pra dizer que eu não deveria estar tomando meu café, comendo meu chocolate ou degustando meu cachorro-quente. Sou uma adulta informada que já pesquisou todos os assuntos concernentes a minha gestação e estou fazendo aquilo que meu médico acredita ser o melhor para o meu bebe. Como posso responder a estas pessoas educadamente mas demonstrando quão grosseira eu realmente queria ser?

Prezado leitor, 

Vamos adiantar o tempo por um instante, lá na frente, quando seu filho já for uma criança socialmente ativa. Se você o pegar sendo mal educado e ele apontar para a coleguinha e dizer "foi ela quem começou!" você vai dizer "Ah, sendo assim pode continuar!"?? Ok, vamos fingir que você tenha decidido não ser mal educada ou grosseira. Me desculpe, mas a Miss Manners precisa ser enfática neste ponto. Agora vamos mais adiante ainda, pra quando chegar o momento aonde o seu filho acha que ele sabe como dirigir a família melhor do que você. Não se iluda, isto não está tão longe assim de acontecer. Se dá mais ou menos entre o dia que você diz "sua mãe sou eu" e o dia que você se dá conta de que ele já sabe mais de tecnologia e declaração de imposto de renda do que você. Aí você aprende a pacientemente ouvi-lo, agradecê-lo por suas sugestões e continua fazendo as coisas como você já tinha decidido que iria fazê-las. Esta me parece uma boa oportunidade para começar a desenvolver esta habilidade.

Querida Miss Manners, 

Minha irmã recentemente deu a luz a sua quarta filha. Apesar de não ser segredo pra ninguém que eles queriam muito um menino, eu sei que eles ficam bem tristes quando as pessoas fazem algum comentário neste sentido quando visitam a minha sobrinha. Eu entendo, afinal não da pra devolver então qual o sentido de fazer esses comentários?

Prezado leitor, 

É verdade, mas me explique qual o sentido em expressar suas preferências de antemão? A não ser que tenha um trono a ser preenchido, a postura oficial dos futuros pais deve ser sempre a de que não importa o sexo do bebê (a frase "contanto que venha com saúde" é um opcional adicional). Por mais que não seja verdade, não se ganhará nada ao afirmar suas preferências. Quando você se recusa á expressá-las, você está evitando comentários e avaliações de terceiros na fase pós-nascimento. Você também previne que aquela criança atribua para o resto de sua vida a ideia descontente de que "era pra eu ser um menino". 


Prezada Miss Manners, 

Um casal de amigos muito próximos acabam de ter um menino. O bebê nasceu com uma doença rara e está cego, tendo pouquíssimas chances de algum dia recuperar a visão. Será que nós deveríamos parabenizá-los e comprar um presente para comemorar a  sua chegada mesmo assim? Não gostaríamos de parecer indelicados ou enviar a mensagem errada, mas mesmo assim gostaríamos de celebrar a chegada do primeiro bebê deles. 

Prezado leitor,

Tentando imaginar que tipo de "mensagem errada" você poderia enviar ao parabenizar os seus amigos e presentear o recém-nascido, me deixou profundamente chateada. Apesar de demonstrar que você sabe que deveria celebrar com eles, você aparentemente sugere que um bebê que nasce com uma doença não conta e que talvez a melhor estratégia é fingir que ele não nasceu. É um pensamento horrível e a Miss Manners te sugere desconstruí-lo agora mesmo! Seus amigos tiveram um bebê. Diga-lhes abertamente o quão feliz você está e vá até a criança e diga "aiii que coisa maissss linnnnda!!!". 


*Tentei traduzir a ideia/mensagem. O livro chama-se Miss Manners´ Guide to Excruciatingly Correct Behavior por Judith Martin e publicado por W.W. Norton & Company. Não tenho conhecimento de uma publicação no Brasil. 

Boa semana pra nós! =)

Até breve!


Comentários

  1. Massa demaaais Karol! Mesmo não tendo chegado nessa fase da gestação, já sou bombardeada por julgamentos e análises de quando nós deveríamos ter nosso bebê...As pessoas perguntam "Quanto tempo de casados vcs têm", aí quando eu digo, rola uns 3 segundos de silêncio, nos quais elas ficam avaliando se já está na hora ou não de eu engravidar...é cômico e incomoda bastante em alguns casos. Principalmente porque apenas nós e nossos amigos mais íntimos sabem qual é o desejo do nosso coração quanto à gestação. E não cabe de maneira alguma anunciar isso aos quatro ventos. Antes eu falava mais sobre isso...mas cada dia mais tenho percebido que as pessoas não se importam realmente, elas só querem especular...e isso é muito desagradável. Confesso que às vezes tenho vontade de perguntar "sério que você acha que eu deveria engravidar agora (ou daqui 8 anos)? Conte-me mais sobre o quanto você vai ajudar a cuidar e educar meu filho?". Mas já aprendi aqui com a Miss Manners que grosseria não é a melhor via...hehe.

    Ah, eu tenho um livro bem bom sobre moda, estilo e comportamento da Constanza Pascolato,"O essencial", que embora não fale especificamente sobre gestação, fala muito sobre bom senso, o que acaba cooperando bastante nas relações com as pessoas no que se refere aos mais diversos assuntos. Recomendo! A versão que eu tenho é bem antiga, creio que de 1999. Mas sei que tem novas edições lançadas...

    ResponderExcluir
  2. Quando vai namorar? Quando vai noivar? Quando vai casar? Quando vai ter filho? E o segundo? Parou a fábrica? Não vai mais parar de fazer filho não?????? As pessoas não se satisfazem...... Hahahahahaha gostei do livro! Quero ler sim! Preciso acabar dois primeiro...vou por na lista!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Caro leitor,

Obrigada por tirar um tempo para comentar aqui. Ficarei muito feliz em ler seu comentário e responderei assim que possível. Um beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

Parto Domiciliar do Mathias | A trajetória

Bon Appétit: Wrap de Alcatra e Cheddar

Inspirando...babies!