Uma mãe de primeira viagem: O Relato do nosso parto :)

Eu sonhei mais de 9 meses com este post. Antes de engravidar, ao ler tantos relatos lindos de parto, eu ficava tentando imaginar como seria o meu, o que escreveria, quando, como, cada detalhe. Chegou o dia e queria escrever logo para não perder o máximo de detalhes possíveis, logo, este post poderá tornar-se um livro, de tão grande.

Toda informação, todo planejamento, toda decepção, toda tristeza, toda angústia, todo medo, toda convicção, todo riso contido, tudo ficou exposto. Tive a experiência mais forte que uma mulher pode ter nesta vida terrena após Cristo, e acredito que esta também foi por meio dEle e para Ele. Conheci um lugar totalmente desconhecido e que mexeu com feridas profundas, que me traziam à memória do porque eu tinha escolhido ir até lá e me davam forças para conseguir. Fui à partolândia, pari e renasci.

O nosso plano era: iniciar o trabalho de parto em casa, acompanhados da Carol, nossa querida Doula e com o seu avanço, irmos para o Vitória Apart Hospital, aonde eu me submeteria a ganhar com o plantonista que estivesse lá, lutando por um parto respeitoso dentro do que havíamos pesquisado, nos informado e decidido. Estava tudo certo. 

A espera foi longa e dolorida, como eu mesma escrevi aqui. A ultima semana parecia não ter fim e a expectativa só aumentava a cada contração indolor e irregular. Na quarta e quinta, tive contrações durante todo o dia, mas elas eram muito irregulares, que me causavam até um certo desespero contá-las. 

Na quarta-feira a lua mudou e o que eu mais ouvi foi "é hoje!". Não foi! Deve ter sido a torcida contrária do meu pai que ia viajar na quinta e disse que ela esperaria até segunda, pro vovô ver! Na quinta, passamos o dia na casa dos meu pais e minha amiga Tita nos fez sua famosa torta de limão, brinquei dizendo que era o que faltava. Pra intensificar os resultados, tomei uma baita caneca de canela com leite e fechei a noite com pastel do ceará repleto de pimenta. Ou ia, ou ficava pra sempre, eu pensei! 

Chegamos em casa e eu fui dormir tranqüila, sempre soube que se entrasse em trabalho de parto, as dores me acordariam. Dito e feito. 

Por volta das 3:20 da manhã acordei com uma cólica forte. Levantei, fiz xixi e voltei a deitar. Ela veio de novo e eu não conseguia dormir. Senti que precisava ir ao banheiro. Levantei e para minha alegria fiz o número dois!!! Eu sempre pensei "preciso fazer antes do trabalho de parto pra não correr este risco". Eu MORRIA de medo (vergonha) de pensar em fazer coco na frente de todo mundo enquanto em trabalho de parto. "Opa, tem algo diferente aqui!" TAMPÃO!!!!!!! "Aí meu Deus, tá acontecendo mesmo!"

Pensei em começar a contar as contrações e só acordar o marido quando eu não agüentasse mesmo. O problema é que sentei na bola de Pilates pra contar e o intervalo estava curto, eu não ia conseguir sozinha. "Amor....amor.....amor...." quando ele finalmente me ouviu resmungou um "hum.." e eu disse: "acorda, é hoje..preciso de ajuda pra anotar os intervalos." Passado o susto ele levantou e começamos a contar. Íamos acionar a Carol quando eu estivesse na fase ativa do parto, ou seja, 3 contrações em um intervalo de 10 minutos. Achei que fosse demorar, mas a verdade é que eu JÁ estava na fase ativa. Tive oscilações de 4 e 5 contrações em 10min.

Mandamos mensagem para Carol. Depois de mais uma contração eu disse que era melhor ligarmos. Liguei também pra minha amiga Ju, que topou fotografar o parto. Pensei, "beleza, todos acionados, vamos curtir enquanto dá." Me maquiei bela e formosa, afinal eu estava pronta para parir à la Grace Kelly, uma diva. Meu marido ria até...entre uma contração e outra eu me maquiava e quando elas vinham eu curtia a dor. 

As meninas chegaram, a Tita acordou e fomos tomar café. Já eram perto das 6 e eu estava feliz de ter  permitido que minha filha viesse a seu tempo. Dali em diante, teríamos juntas uma batalha por vez, mas já me sentia vitoriosa de ter começado bem. Que dia lindo, o sol raiando no mar, meu corpo trabalhando em prol do nascimento da Ana Luiza, que dia lindo! 



Belisquei alguma coisinha, tiramos fotos, rimos, nos divertimos. 

Pedi então pro marido ligar no hospital e perguntar como estavam de ocupação, pois não é raro estarem lotados e os pais voltarem da porta mesmo. Moramos bem distante desse hospital e o horário de pico era crítico, não poderíamos correr o risco. Pra nossa surpresa, o hospital informou que não havia disponibilidade, contudo a partir das 9 o médico passaria dando alta. Decidimos esperar mais um pouco. 

As dores aumentaram e foi então que decidi ir para o chuveiro. Estava bom, aliviava bem as dores, mas não estava ainda 100%. Resolvi soltar o cabelo e entrar de vez, dane-se a maquiagem, isso aqui está muito bom. Depois de um tempo, meu marido entrou e disse que a Carol havia ligado para uma enfermeira conhecida dela que morava ali perto para que ela pudesse me avaliar e ela prontamente topou. 

Quando ela chegou, eu havia acabado de sair do chuveiro e estava me trocando, quando veio uma contração forte e eu senti vontade de gritar. E gritei. Eu havia feito um compromisso comigo mesma de não segurar nenhum instinto, de vivenciar a experiência por completo. As primeiras palavras que ouvi da enfermeira foram "parabéns, gostei do grito, você está linda!". Naquele momento eu ri e pensei como era bom ter outras 'doidas' ao longo do caminho. Nós sentamos no chão e ela mediu minha pressão entre uma dor e outra, tudo bem. Depois perguntou se podíamos fazer um toque e eu concordei. Ela avaliou e disse que ela estava baixa e que eu poderia sentir também. Me deu uma luva e eu senti a Ana Luiza já bem baixa no canal. Na hora do toque, pedi encarecidamente que ela não me dissesse que eu estava com 3 cm porque eu ia desanimar muito. Sempre li esses relatos de mulheres que estavam há algum tempo em trabalho de parto e quando eram avaliadas, estavam com 3 ou 4 cm ainda. Ela avaliou e disse... "É, você está entre 6-8 cm, você está indo muito bem!!!" O QUÊ???? Eu só não caí, porque já estava no chão! "Meu Deus, eu realmente sou capaz... Se cheguei até aqui, eu consigo ir até o fim!" 

Enquanto eu curtia mais uma contração, ouvi a enfermeira dizer que se íamos pro hospital aquela era a hora,pois se rompesse a bolsa eu iria muito rápido. 

Chegamos ao ponto crucial, a decisão mais difícil e importante do meu trabalho de parto. A Carol veio ao meu lado e me pediu pra avaliar junto com o Jó, pois precisávamos sair imediatamente. Ouvi ele dizer "amor, vamos?". Silêncio. A Carol me disse que precisávamos decidir logo, mas que não havia uma decisão certa ou errada. Silêncio. Dor. Alegria, eu estava conseguindo. Dor. Medo. 

"Eu não vou. Quero ficar." 

Eu achava que seria irracional sair às 9 da manhã para pegar um trânsito maluco, chegar do outro lado da cidade e ainda não ter vaga. Eu sabia a intensidade das dores e o risco que eu corria de parar todo trabalho entrando em um carro apertado e fazendo todo o trajeto com a adrenalina lá em cima. Eu resolvi correr o risco e se preciso fosse, sairia com ela logo depois pro hospital. Não sei se foi instinto, se foi Deus, se foi tudo, mas eu não conseguiria sair dali, simplesmente não fazia sentido pra mim. E aí entrou Deus com a mais perfeita provisão. 

Senti muita vontade de fazer xixi e sabia que não ia chegar a tempo no banheiro, então relaxei. Era minha bolsa. Pensei "agora que não saio daqui mesmo", só conseguia pensar que estava indo bem e aquilo realmente estava acontecendo.

Quando tomei a decisão, a Carol ligou para uma das enfermeiras que a assistiu em seu parto, mas que não estava "ativa" porque sua dupla (elas só trabalham em dupla) mora em São Paulo, então elas só fazem partos domiciliares com planejamento, antecedência e etc. Ao ligar para esta enfermeira, ela foi informada que a outra também estava "por acaso" em Vitória e elas estavam livres naquele momento. Sim, Deus foi muito maravilhoso e misericordioso para conosco. Ela só precisariam de um tempo para pegar os materiais e estariam lá o quanto antes. Me lembro vagamente da Carol me falando isso, mas sinceramente, pra mim naquele momento de dor profunda e felicidade intensa não fazia muita lógica e eu não consegui ligar as coisas. Eu sabia que estava chegando a hora....a hora que eu tanto imaginei, a partolândia. Eu falava pra Carol que eu estava indo e ela dizia "eu sei, vai mesmo..."

Fui pro chuveiro e o marido apareceu logo em seguida pra se molhar comigo e me dar todo apoio. Ele me viu ir até lá...e o que encontrei? Eu mesma, mas eu mesma bem diferente. Tivemos uma "D.R" séria naquela hora...eu dizia pra mim mesma:

"Deixa de ser fraca, não vai desistir agora né? Lembre-se do porque você veio, lembre-se do porque está lutando, lembre-se de todas que conseguiram. Você veio em nome de todas aquelas que não puderam vir aqui, que não conhecem os delírios prazerosos da dor de parto, por todas aquelas que tiveram o seu parto roubado, você veio pela sua mãe..vai desistir? Grite, solte-se, você é plenamente capaz." 

Não sei quanto tempo fiquei lá...mas me lembro dos braços do meu marido me segurando e de abraçá-lo fortemente e soltar um grito profundo. Eu PRECISAVA fazer força. 



Saí dali exausta. Queria dormir, queria deitar. Quando cheguei no quarto fiz uma triste tentativa de deitar na cama e gritar de dor. Pensei em tantas mulheres que são obrigadas a isso. Sentei no chão e senti o Jó sentar atrás de mim. A vontade de fazer força era incontrolável. E o que eu mais temia me aconteceu. Sim, eu fazia força e sentia que estava evacuando. A princípio, entrei em desespero... "

"Não!!!!!" 

Logo me lembrei do meu compromisso comigo mesma. Eu estava na minha casa, no meu quarto, com as pessoas mais adequadas pra isso, ou era TUDO ou nada. 

O que fazer na desgraça? Graça! Encarei com graça tudo aquilo e fui....

De Grace kelly eu havia me transformado em loba selvagem. Fiz tudo que senti vontade, gritei quando quis, urrei também. Chorei. 

Ali mesmo, comecei a fazer muita força, era mais forte do que eu. DA ONDE VEM ESSA FORÇA? Não saberia nunca explicar ou mensurar. Sentia a Ana Luiza descendo e voltando também. Nesta altura, tiraram o Jó, pois mais dois minutos ali e ele teria que amputar as pernas. A Carol sentou-se atrás me apoiando e todo mundo se posicionou ali na minha frente, estava chegando a hora. Comecei a chamá-la, já estava esgotada.... "Vem filha....."

O círculo de fogo foi rápido e algumas forças depois senti ela começando a sair e a euforia em minha volta "ela está empelicada!!!!!" Apesar de romper a bolsa, ela veio dentro dela, toda protegida. Tinha saído pouco líquido e a bolsa manteve-se bem intacta. Eu não acreditava....só sei que em questão de segundos e alguns gritos profundos eu finalmente peguei a Ana Luiza nos braços. 

Foi um dos momentos mais lindos e marcantes da minha vida. Indescritível. Único. Perfeito. Totalmente consciente. 

Ela veio direto pro meu colo mamar e pro pai babar. Ficamos os dois apaixonados com a sua perfeição em detalhes. Eu dizia "filha, por que tão Beduschi?" me referindo a sua semelhança com meu marido! Toda branquinha como eu sempre soube, com cabelo, orelhas pequenininhas, olhos puxados do vô, testa franzida tal qual a família Beduschi e as mãos enormes dos mesmos! 

Daí pra frente foram meros detalhes.... 

Fechamos a noite com o último milagre. Não expeli a placenta e por isto, decidimos ir ao hospital fazê-lo. Nós preparamos para o pior, pois parto domiciliar é sempre motivo de bullying e violência para com a mãe. As meninas se lembraram do médico residente que haviam conhecido em um congresso há poucos dias em SP sobre parto humanizado. Ele era o único médico capixaba presente. Ligaram pra ele e ele disse que estava de plantão, que me receberia. Fui para o hospital das clínicas em Vitória. Eu estava me sentindo muito bem, tranqüila, caminhando... Agradeci a Deus por não ter enfrentando trânsito com contrações, estava mais do que provado que não conseguiria. 

Ao chegar lá, fomos atendidas pelo doutor "Anjo", que me examinou e como quem não quer nada, conversando comigo, gentilmente me explicou que o colo do meu útero estava mais fechado e havia retido a placenta, mas era algo rápido, assim ó..... E lá se foram mais 2kgs! Ele foi maravilhoso, espetacular, sem palavras. Me parabenizou pela coragem do parto domiciliar, nos tratou feito seres humanos e nos despedimos. Deus foi maravilhoso! O milagre estava completo. Voltamos para casa e minha maratona chegara ao fim por volta das 21:00.

Faria absolutamente tudo de novo. 

Fui dormir boba de tão feliz...tive a Ana Luiza como eu sempre sonhei, em casa, com meu marido, de forma respeitosa, segura e linda, emocionante.

Começo agradecendo ao meu Pai que em tudo interviu em cada segundo nos suprindo em absolutamente TODAS as coisas. Ao começar o trabalho de parto, o marido e eu oramos e entregamos aquele momento nas mãos dEle, pois ele já sabia de antemão como seria. Não poderíamos ter sido mais cuidados, vimos milagre após milagre acontecer, esta foi também uma experiência a mais com Ele, como família. O nascimento da Ana Luiza foi um milagre e Deus seja glorificado em todas as coisas! Obrigada Pai, não nos desamparastes!!!!

Ao meu amor, amigo e mais fiel COMPANHEIRO, não tenho nem palavras pra você... Eu não conseguiria jamais sem o o seu apoio incondicional desde o início! Obrigada por ter trazido a Ana Luiza ao mundo junto comigo, você é sensacional e o nosso amor não poderia estar expressado de outra forma, se não através dessa jóia preciosa!!! Te amo e sei que só por amor alguém faria tudo o que você fez! Obrigada, obrigada, obrigada!!!!!

Carol, obrigada por ter me deixado te escolher! Eu sabia que você ia ser imprescindível como doula, amiga e irmã em Cristo! Nossa comunhão fez toda a diferença. Seu trabalho é precioso, é cheio de amor, é lindo e abençoado. Espero que outras famílias possam contar com todo esse respeito e carinho da mesma forma que contamos. Sua família é benção e reflete Jesus, é Igreja viva!!!!! Amo vocês!!!!!

Talita, Tita... Desde o primeiro dia eu ouvi "pode ir amiga, vou estar lá, se preciso for faço até curso de doula!" E você esteve mesmo!!!! Não teria palavras pra te agradecer....obrigada por ter vindo, ter ficado, dividido banheiro comunitário, ter cuidado de nós com tanto AMOR! Já estamos sentindo saudades da tia Tita... Você é especial, muito amada pela nossa família! Pode engravidar dos gêmeos, te devo essa! :) 

Ju, sempre soube que se fosse pra fazer fotos, teria que contar com a sua amizade, sensibilidade e talento...não deu outra!!! Obrigada por TUDO!!!!!!

Aos meus "anjos" em forma de enfermeiras e médico... Obrigada! Que outras mulheres tenham o privilégio de conhecê-los e receber tanto carinho e respeito em uma hora tão especial. O trabalho de vocês é lindo e somos uma família abençoada por termos tido a honra de contar com vocês! Todas as recomendações do mundo serão dadas...sempre! Muito obrigada!

As nossas famílias, muito obrigada pelo respeito e paciência. Sei que ouvir de parto tantos meses não foi fácil e sabemos que muitas vezes fomos demasiadamente enfáticos e até possivelmente rudes. Acreditávamos e lutamos por isso e a compreensão e o respeito de vocês foi fundamental...acreditem, não era planejado ficarmos em casa....rs...

Amigas, sei que pra muitas eu sou doida e pra outras nem tanto! Obrigada por me ouvirem, por assistirem tantos vídeos de parto, por me criticarem e também pelo apoio! Às que já tinham passado pela experiência, um obrigado especial por servirem de exemplo, por dividirem as suas experiências e por me motivarem a seguir em frente. Somos de fato mulheres empoderadas!!!!!

Mãe, sei que você sofreu um bocado ao longo desses meses comigo. Dedico o meu parto à você. A sua experiência naquele 07 janeiro, me dava forças e me fazia continuar. Foi por aquelas tantas horas, por aquela folha frente e verso, por aquela anestesia, por todo processo. Você foi uma guerreira e certamente as minhas dores não se compararam as suas. Lutei muito pra poder mudar nossa história e fazer jus o título de ser filha de uma guerreira como você. Te encontrei ao longo do meu parto várias vezes, você esteve mais presente do que possa imaginar. Te amo!!!! 

Termino meu relato dizendo que, não há forma correta ou errada de se trazer um filho(a) ao mundo. O que existe é falta de informação, um sistema corrupto e disposto a qualquer coisa por dinheiro. Defenderei sempre a informação, o debate franco e baseado em informações científicas comprovadas e não meros mitos criados por tal sistema. Para muitas mulheres, o ideal sempre será uma cesariana, outras irão querer a experiência do parto normal com intervenção, outras ainda, o parto natural, mas que sejam todos humanizados, respeitosos, discutidos abertamente, sem truques ou pretensos procedimentos invasivos de rotina que supostamente visam salvar alguém que se quer está em perigo. Informe-se, busque ajuda, resgate o direito de trazer o seu filho(a) da maneira como deseja, tendo o apoio real de quem se importa com vocês e não somente com o tempo e dinheiro despendido. 

Obrigada aos que acompanharam nossa longa trajetória até aqui e por cada mensagem de apoio e carinho e conforto. Foi muito especial poder dividir aqui tudo isso e por isso não quis poupar detalhes, pois sei que alguém em algum lugar, assim como eu fui, será encorajado pela nossa experiência. Acredite, é possível! 

Me despeço com a foto mais emocionante da nossa sexta-feira, 16 de maio de 2014 às 11:49 da manhã. Recebendo nos meu braços nossa Ana Luiza:




Até breve! 

Comentários

  1. Delícia delícia!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Vou me emocionar toda vez que me lembrar dessa sexta-feira! Amo vcs!

    ResponderExcluir
  2. Ei!! Estou muito feliz de ter lido seu relato, chorei de felicidade com sua felicidade!!
    Sua vida é tão preciosa, e eu te amo muito!! Amo a Ana Luiza também!
    Parabéns por acreditar em seus princípios e levá-los até o fim.
    Tenho muito orgulho e admiração por você. De verdade!
    Uma pena não ter visto seu barrigão. Bju Maga

    ResponderExcluir
  3. Karol,
    Torci muito para que desse tudo certo no seu parto e fosse como vc queria.
    Chorei de felicidade ao ler sobre sua felicidade.
    Parabéns por seguir seus princípios até o fim.
    Eu tenho muito orgulho e admiração por você.
    Eu amo sua vida e da Ana Luiza. Parabéns! Maga

    ResponderExcluir
  4. Quanta alegria e emoção que eu senti ao ler tudo isso!!Obrigada por sempre saber descrever em palavras tão lindos sentimentos!!
    Me alegro por ver a fidelidade de Deus com vocês, fazendo com que tudo fosse melhor até que o planejado!
    Sempre pensei comigo (conhecendo você, sua determinação, família de guerreiras e história) se a Karol não conseguir, então eu to frita! rsrs...Agora como será comigo não sei, só sei que lendo mais um relato lindo assim me sinto muito animada, motivada e aliviada por ver pessoas magrinhas e mini como eu conseguindo! rsrs..acho que tenho todos esses medos que você teve e até mais, mas como é bom saber que temos um Deus zelando por nós e dirigindo tudo na sua mais perfeita vontade! Obrigada por servir de exemplo pra nós!
    A Ana Luíza é liiiinda e desejo a vocês papais toda sabedoria do Senhor para criá-la ! Bjoss Joanna

    ResponderExcluir
  5. Karol, Emocionante, lindo , divino e muito edificante seu relato...Depois que li seu relato me sinto mais encorajada com sua experiência, quando dependemos de Deus as coisas acontecem do jeito que Ele quer é lindo ver a mão do Senhor....Por que Dele , por Ele e para Ele são todas as coisas....Deus é fiel e perfeito!!!!! até chorei rs.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Também tive minha primeira filha em casa e sei o quanto é emocionante. Parabéns pelo lindo presente recebido dos céus! Deus abençoe você e o Jó para que tenham sabedoria e muita saúde para viver estes dias preciosos que estão por vir!

    ResponderExcluir
  8. Valéria Zucolotto19 de maio de 2014 14:29

    Estou desidratadaaaa!!! Sinto muito orgulho de você, pela força e coragem!!!!! Também sinto muito orgulho do Jó, marido dedicado e presenter. Vocês são exemplos pra nós!!!!! Amamos muito vocês e a Ana Luiza e oramos pra que o Senhor conduza a sua existência e constância, sabedoria e graça!!!! Contem conosco!

    ResponderExcluir
  9. Ownn, que lindo esse parto, quanta emoção!! Que DEUS com seu infinito amor abençoe poderosamente vocês, e que a Ana venha trazer muitas alegria pra vocês!! Parabéns família lindaa!!

    ResponderExcluir
  10. Estou emocionada, edificada, encorajada, animada, convicta e decidida para quando for a minha vez! Obrigada Karol, por não poupar detalhes. Que o Senhor te abençoe nessa nova caminhada com essa princesa! Um beijo

    ResponderExcluir
  11. Ei Carol te conheço de vista da igreja ,mas lendo o seu relato eu entendi cada frase , cada palavra e expressão pois apos 1 desneCesaria eu pude tb realizar o meu sonho de ter o meu parto normal natural sem remedios , exatamente como Deus nos fez capaz. Muito orgulho de vc mesmo sem te conhecer intimamente , ja me sinto sua amiga pois essas experiências nos une , e que privilégio ter a linda Carol Silveira como doula , ela é mto especial. Um grande abraço para vc guerreira
    De : Tati "outra" guerreira rs

    ResponderExcluir
  12. Gente, que maravilhoso! Karol, sempre alegre, extrovertida, como você mesmo disse "doida"! E o Jó? Um cara extremamente alto astral, tive pouca oportunidade de conhecê-lo, mas nota-se um cara bacana. Fui muito edificado, com o relato, com a postura, com a dependência do Senhor! E com o rostinho da Ana Luiza, que vai aprender a andar de carro com o titio! kkkkkkkkkkkkkkkkkkk! Que o Senhor continue abençoando, e edificando o lar de vocês e que como essa "joia", venham muitas outras (de acordo com a vontade de vocês), para lhes encher de alegria!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Andar de carro com o titio.......isso me cheira a Elcio filho...............

      Excluir
  13. Não tenho palavras para descrever o turbilhão de emoções dentro de mim ao ler e reler essa aventura!
    O mínimo a dizer é "muito obrigada!".
    Muito obrigada por dividir Vida, compartilhar Cristo, distribuir o Amor em palavras e semear a amizade sempre!
    Me edifiquei muito nesta linda-história-vivida-contada! E louvo a Deus pela expressão Dele em tudo!
    Sei que Sua expressão continuará ainda mais na Ana Luiza durante seu viver, pois Seu Amor atravessa as gerações!
    Amo sua família!
    E deixo aqui meus beijinhos e abraços...❤️
    (E um "High Five!!" cheio de risos e amor pra Ana rsrs)

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. Karol!!
    Parabéns!!
    Muitas felicidades pra vcs!!!
    Texto lindo e emocionante!
    bjão e saudades!

    ResponderExcluir
  16. Nossa Ka, eu fiquei simplesmente emocionada!
    Com todo o procedimento desde o inicio, com sua fe, com seu amor, com sua confianca em Deus!
    Com sua coragem e vitoria!
    Deus sempre mostrando o quao perfeito Ele eh; e que esta junto da gente sempre!
    Ana Luiza eh uma princesa e vc uma guerreira!!!!
    Parabens mamae!!!!! ;)

    Eu ainda nao to pensando mto nessa parte, sei que nao sou corajosa nem guerreira como vc - nesse ponto :~
    Mas, sei que tudo vai dar certo!!!

    Felicidades sempre pra vcs!!!!
    Beijao!

    ResponderExcluir
  17. Karol, que coisa mais linda este seu texto... com tanta verdade e amor!

    Obrigada por compartilhar...

    Estou na minha primeira gestação, penso em ter meu bebê em casa, mas morro de medo de algo acontecer e não dar tempo de chegar no hospital...

    Tenho lido tudo o que posso! E creio que Deus irá da uma direção certa...

    Tb foi sua primeira filha?

    Parabéns pela sua coragem!

    Bjs

    ResponderExcluir
  18. vi seu parto no youtube e n resisti.. vim ler seu relato.
    mt emocionante..
    fiquei encantada com as fotos.. a fotografa teve muita sensibilidade .. captou mts momentos lindos..

    li que eh sua amiga.. mas ela eh profissional? estou gestante e a procura de alguem assim.
    se puder responder , agradeço
    email: crislaine.mayer@hotmail.com

    ResponderExcluir
  19. Me emocionei muito! Parabéns!! Queria saber o nome da música que foi usada para o vídeo das fotos do nascimento da princesa?

    ResponderExcluir
  20. Estou chorando baldes... É a minha primeira gestação e tenho orado, pedindo a Deus que coloque pessoas e circunstâncias assim na minha vida. Não existe parto humanizado na minha cidade, e dependo de intervenção divina mesmo para ter um desfecho como o seu. Mas Deus pode fazer esse milagre! Creio nisto! Obrigada por compartilhar a sua história com tanta franqueza e sinceridade. Me vi demais dentro dela (pânico só de pensar em evacuar na frente de todo mundo! rsrs). Deus abençoe você e a sua família. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ruth! Me desculpe a grande demora em responder, mas só hoje consegui sentar e responder com calma! Creia no Senhor, lance sobre ele todas as suas expectativas, busque informação e confie que tudo já está encaminhado como tem que ser. Eu sei muito bem a ansiedade e expectativa que estas coisas geram no nosso coração de mãe de primeira viagem, me vi muitos dias atormentada pelo assunto e Deus foi soberano em todas as coisas. Creia nisto! Te desejo um belo parto, de entrega e de novas experiências!! Bom ter você por aqui! Beijos!!!!!!

      Excluir

Postar um comentário

Caro leitor,

Obrigada por tirar um tempo para comentar aqui. Ficarei muito feliz em ler seu comentário e responderei assim que possível. Um beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

Parto Domiciliar do Mathias | A trajetória

Bon Appétit: Wrap de Alcatra e Cheddar

Inspirando...babies!